Brasil & MundoPolítica

Vacina para policiais e professores em SP pressiona estados, que criticam Doria

O anúncio de João Doria (PSDB-SP) na tarde desta quarta-feira (24) do início da vacinação de policiais e professores no estado de São Paulo pegou outros estados de surpresa. A decisão do tucano aumenta a pressão das categorias sobre governadores de outras regiões. Assim que Doria fez a divulgação, seus colegas passaram a fazer questionamentos no grupo de WhatsApp que reúne representantes estaduais.

Eles reclamam que o governador de São Paulo atropelou o plano nacional de imunização e que a medida não deveria ter sido tomada de maneira isolada, por um único estado. “A gente o tempo todo cobra uma coordenação nacional. E a gente tem um plano de imunização já pronto, do país. Se cada estado entender que tem que fazer caminhos próprios, imagina a confusão que isso vai gerar”, disse João Azevedo (PSB-PB). “Eu postei no grupo que não concordo com essas antecipações. A não ser que o Ministério da Saúde entre nessa. Se não houver determinação nacional, não faz sentido isso. Outras categorias vão começar a pedir. Todo mundo está sendo muito pressionado”, acrescentou.

Outros governadores também questionaram a decisão de Doria, como Eduardo Leite (PSDB-RS), Renato Casagrande (PSB-ES), Rui Costa (PT-BA) e Ronaldo Caiado (DEM-GO). Professores e policiais são as categorias que mais têm apresentado demandas ao governo Jair Bolsonaro (sem partido) para entrarem na prioridade da vacinação contra Covid-19. Eles estão, por exemplo, atrás de presos e criticam a ordem. Até o momento, no entanto, não houve mudança no plano nacional.

Pressionado, o ministro da Justiça enviou nesta semana um ofício à Saúde pedindo prioridade aos profissionais de segurança. O presidente da Frente Parlamentar de Segurança Pública na Câmara, Capitão Augusto (PL-SP), afirmou que Bolsonaro acabou ficando para trás com o anúncio feito por Doria. Segundo Doria, o início da vacinação dos policiais será a partir de 5 de abril e os professores, em 12 de abril. Na categoria dos professores, serão 350 mil profissionais que atuam da creche ao ensino médio, nas redes pública e privada.

O secretário de estado da Educação, Rossieli Soares, disse que a imunização abrangerá todos os tipos de profissionais de educação, a partir de 47 anos. Em relação à rede privada, será exigido um contracheque dos últimos dois meses, com objetivo de evitar fraudes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Generated by Feedzy