Local

”A população não pode relaxar”, diz secretário de Saúde

Depois de vários dias com UTIs (Unidades de Terapia Intensiva) lotadas, aumento de casos e recorde de mortes em março – 97 francanos perderam a vida na cidade no mês passado – Franca hoje vive uma situação mais confortável, mas, segundo o secretário de Saúde, Lucas Eduardo de Souza, “a população não pode relaxar” e deve continuar seguindo as regras sanitárias para evitar o avanço da covid-19. “Iniciamos um trabalho em janeiro de otimizar o atendimento na rede pública e evitar a contaminação cruzada. Transformamos o Pronto-socorro em um verdadeiro polo covid e reforçamos a equipe. Aumentamos leitos e buscamos alternativa para cuidar do paciente no próprio PS quando os hospitais estavam com lotação máxima”, disse o secretário.

Hoje o Pronto-socorro “Dr. Álvaro Azzuz” conta com 32 leitos de enfermaria e 8 leitos UTI na ala Covid. Na tarde desta quarta-feira, 14, depois de vários dias com lotação máxima e várias pacientes aguardando transferência para uma UTI, ninguém esperava na unidade por vaga. “Isso nos mostra que as medidas restritivas, todo o trabalho da administração municipal e o apoio da população começou a mostrar resultado. Mas é importante reforçar que a população não pode relaxar, precisamos do apoio de todos para evitar que a situação volte a ser crítica”, reforçou.

Também foi criada uma Central de Monitoramento de pacientes com suspeita de coronavírus. O serviço, de acordo com Lucas Souza, tem ajudado a diminuir o índice de transmissão e também em prestar atendimento médico quando o paciente precisa. “A Central de Monitoramento funciona das 7 às 19 horas, com uma equipe contatando os pacientes com suspeita da covid-19. No caso daqueles que têm comorbidades, ou seja, complicações, eles contatam diariamente. Os demais são contatados de 48 horas em 48 horas. Isso nos ajuda a acompanhar a evolução do quadro”, explica. “Antes, lá no começo, a orientação era que se alguém apresentasse algum sintoma não deveria procurar as unidades de saúde e hoje sabemos que o atendimento rápido é o que pode salvar uma vida”, completou.
Vacinas

O secretário também falou a reportagem da Folha de Franca sobre o número de doses da vacina contra a covid-19 que é enviado ao município pelo Governo do Estado de São Paulo. Segundo ele, o Governo estadual encaminhou menos doses que o necessário para imunizar, por exemplo, os profissionais de saúde. “O governo subestimou o número de profissionais da Saúde, já que levou em consideração a vacinação contra a influenza em 2020. Foram encaminhadas cerca de 8 mil doses e acredito que falte ainda cerca de 5 mil doses para completar o público alvo”, explica. “Nós já acionamos o Governo do Estado informando esse número defasado, mas ainda não tivemos retorno.”

De acordo com o secretário, Franca tem mantido a vacinação regularmente com o cronograma do Estado de São Paulo. “Assim que recebemos as doses já fazemos o planejamento para que seja colocada em prática a melhor logística. O que acontece é que, às vezes, as doses chegam muito em cima da hora o que prejudica esse planejamento. Mas temos buscado sempre colocar o maior número de postos de vacinação, de acordo com a quantidade de doses, tanto para não gerar aglomerações como para não sobrecarregar o aplicador”, disse.
Em média, são encaminhadas por dia entre 400 e 500 doses para os postos de drive thru, e entre 100 e 150 doses para as UBSs.

Sobre a aplicação das doses – que ontem contou com uma polêmica depois que uma estagiária foi filmada cometendo um erro e não aplicou o imunizante em uma idosa, o que foi rapidamente corrigido – o secretário disse que tem buscado parcerias com as universidades e escolas técnicas para não sobrecarregar as equipes já que são muitas doses aplicadas por dia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo