Inspirados

Malva Cheirosa

Por Tânia Mara

Hoje folheando um livro,

Amarelado e corroído,

Encontrei vestígios de uma folha de malva,

Aquela cheirosa…

Imediatamente ela me colocou

Em outro tempo,

Longe, longe…

Há uns quarenta anos, talvez.

Lembro-me da malva plantada

Numa lata,

Que ficava no pé do degrau de entrada, e

Que ofertava flores vermelhas…

Lembro-me, ainda,

Que sob a sombra de um abacateiro

D. Madalena, minha avó,

Dona da malva e do livro,

Numa daquelas cadeiras,

De um azul-esverdeado desgastado,

Passava a tarde absorta em suas leituras e,

Compreensões acerca da vida.

Sua sabedoria era gigante.

Ancestral.

Pena que a época eu não tinha esse alcance.

Hoje, revisito lembranças…

Justificando minha ausência

Sob o efeito da malva-cheirosa.

Tânia Mara Pinto de Sousa. Professora. Coordenadora do NEPEC (Núcleo de Estudos e Pesquisa sobre Economia Criativa). Líder local do World Creativity Day 2021. Poeta. Participa do e-book Eu-Mulheres, da editora Artefato.

Um Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Artigos relacionados

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo