Opiniões

“Surda? Heimmmmmmmmmm”?

Inhaim!

Com a proibição do “tóxicu’ num fim de semana, convidei a Lolosa, a Tobiniana, A Xoxota de Aço e a Papa Donzela para uma carninha no barraco. Era pra decidir o “broco” de Carnaval e aa fantasias que nóis ia “usá” Chamei também a minha amiga biba Daxana Mijardina Pinto. Ela que ia fazer as fantasias… Bicha porreta no assunto.
Cozinhei uma “sarsicha”, ovo, temperei com óleo e limão e “noervego”. Uns litrão e um cunhaque de “arcatrão” São João da Barra.
Conversa vai, conversa vem, comecei a notar que não estava entendendo nada da conversa “das biscate”. Parecia que tinha uma caixa de “abeia” nos meus !”zuvidos”. Que trem esquisito. Precrecisava ficar prestando atenção na boca delas pra entender o que estavam falando. Tive até que diminuir o som do “pareio” que ganhei da patroa.
Lolosa falo “protocolo”. Entendi: “Senta no meu colo”. Tobi falou “caçar rolinha”. Entendi: “caçarolinha”. Xoxota de Aço disse comer uma “bruschetta”, eu entendi comer uma b… Papa Donzela falou “buraco do tatu” E entendi: “vai tomar no c….”. Daxana disse “linha de carretel”, entendi “riscaram meu Corcel” – quase ficou louca.

Continuei entendendo tudo errado:
”Cuié” –“muié”
“Paradão” – “agora não”
“Porta” – “horta”
“Pigarro” – “cigarro”
“Marieta” – “Picareta”
“Galocha” – “brocha”
“Rima” – “prima”
“Ladainha” – “calcinha”
“sei” – “gay”
“luta” – “prostituta”
“Profunda” – “bunda”

Lolosa perdeu a paciência e me mandou a puta que o pariu e procurar um médico que eu estava surda. Além de véia (erada!) tava surda também.
Na segunda-feira fui pra fila do SUSI. A Lolosa me levou. Eu falei “prela”: “se eu tiver que usar aqueles ‘pareio’ no ‘zuvido’ eu não usaria nem que a vaca cantasse o Hino do Timão. Lolosa me acalmou. Demorei três horas para ser atendida. Pensava em mim com aquele radinho de pilha no “zuvido”. Tinha um vizinho da minha mãe que era assim. O rádio na maior altura falava: “O relógio marca..”. Acho que era a Inconfidência.
Pra minha alegria e vergonha era só tampão de cera no ouvido. O médico mandou eu usar cotonete. Mas era muita cera. Dava pra encerar o barraco umas três “veiz”…

Luciene Garcia

É jornalista e criadora da personagem Lulu do Canavial.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo